brand-wiha-1.jpg

4 enganos que gestores cometem sobre softwares de gerenciamento de ferramentas

Para que uma indústria possa manter seu trabalho em andamento é necessário ter planos em caso de problemas, e voltados à prevenção e controle. Isso envolve técnicos de prontidão, o armazenamento completo de peças e ferramentas necessárias para uso e manutenção, além do fácil acesso a esses componentes. Isso faz com que seja necessário um bom inventário de estoque para organizar esses dados e torná-los acessíveis, o que pode ser feito com um software de gerenciamento de ferramentas.

Independente da área de atuação da indústria, essa organização de equipamento faz com que a eficiência seja maior – tanto para reparos quanto no dia a dia da empresa – evitando desperdício de trabalho e aumentando a produtividade. Mas mesmo com as vantagens organizacionais oferecidas por um software de gerenciamento de ferramentas, muitos gestores ainda têm receio de investir no sistema por crenças que passam uma imagem negativa dessas plataformas. 

Nesse post vamos mostrar os principais enganos cometidos pelos gestores quando pensam em implantar um software de gerenciamento de ferramentas. Acompanhe:

1. Usar um controle tradicional é mais fácil

Muitos gestores acreditam que o uso do controle de papel pode ser melhor para a sua realidade, e que trabalhar com tabelas impressas pode agilizar os processos. Mas a verdade é que esse material traz dificuldades a longo prazo e compromete o registro das ferramentas. 

Enquanto o papel normalmente trabalha com uma única cópia – que pode ser facilmente perdida ou suja, colocando essas informações em risco – um software de gerenciamento de ferramentas permite a segurança dos dados e faz com que seja possível acessá-los através de uma plataforma online. O resultado é mais controle para o gestor, menos chances de perdas, e menos prejuízo.

2. Inserir os dados dá muito trabalho

Outro engano que os gestores cometem ao pensar em um software de gerenciamento de ferramentas, é que os dados devem ser inseridos manualmente todos os dias, da mesma forma que o papel pede, só que em um computador central. 

Na verdade, ao contrário de sistemas de tabelas digitais, o software trabalha com o uso de códigos de barra que são designados às ferramentas na instalação. Isso faz com que, após um cadastro inicial, o processo de registro de retirada e devolução das ferramentas seja mais rápido e prático, da mesma forma como a verificação de itens em falta.

3. O investimento demora para trazer retorno

Algumas indústrias acreditam que o investimento em um software de gerenciamento de ferramentas é custoso, e não enxergam um bom retorno no investimento a curto prazo. Na verdade seus benefícios podem ser notados antes do esperado, especialmente em relação às perdas e roubos dos materiais. Além de conseguir encontrar as ferramentas de forma mais rápida, ele também permite verificar o tempo de uso de cada uma delas – facilitando a tomada de decisões para a compra de novos materiais – e a implantação rápida no mercado, o que pode trazer retorno nos primeiros 3 meses.

4. Meu negócio é muito pequeno para um software de gerenciamento de ferramentas

Independente do tamanho do seu negócio – seja ele uma indústria metalúrgica ou uma oficina mecânica – ele pode se beneficiar através de um software de gerenciamento de ferramentas. Existem soluções voltadas para diversas demandas e tamanhos, então procure o sistema mais adequado para as suas necessidades e veja seus benefícios.

Quer implantar um software de gerenciamento de ferramentas no seu negócio? Conheça nossas soluções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>